Make your own free website on Tripod.com

Símbolos Confessionais

Introdução:

Símbolos confessionais são fórmulas utilizadas para confessar a fé cristã. A Igreja Evangélica Luterana do Brasil é uma igreja confessional. Por isso aceita os três credos ecumênicos como uma maneira de resumir sua fé. É importante ressaltar que estes credos só têm validade se estiverem de acordo com a Palavra de Deus.

Os três símbolos confessionais aceitos pela IELB são:

Credo Apostólico

Credo Niceno

Credo Atanasiano

Credo Apostólico:

Histórico

Durante séculos, os cristãos acreditaram que os apóstolos haviam sido os autores desta confissão de fé. Uma antiga teoria informava que os doze apóstolos compuseram-na, sendo que cada apóstolo acrescentou uma cláusula até completá-lo. Hoje esta informação é tida como lendária.

A fórma como temos este credo hoje vem do ano 700 d.C., aproximadamente. No entanto, fragmentos desta confissão são encontrados em escritos do século II d.C. O antecessor mais importante foi o Credo Romano Antigo, desenvolvido na segunda metade do século II.

O Credo Apostólico tinha muitas funções na vida da igreja. Entre outros, associava-se com a entrada na comunhão da igreja primitiva, como uma confissão de fé aos candidatos ao batismo. Também a instrução catequética baseava-se freqüentemente nas partes do credo. Com o passar dos anos, o credo se tornou uma "regra de fé" para dar continuidade aos ensinos cristãos de uma localidade para outra e para separar a fé verdadeira das heresias.

A natureza trinitariana do Credo Apostólico fica evidaente. A fé em "Deus Pai todo-poderoso, Criador do céu e da terra" é afirmada em primeiro lugar. Mas o centro do credo é a confissão a respeito de "Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor". É dada especial atenção aos eventos envolvidos na sua concepção, nascimento, sofrimento, crucificação, ressurreição, ascensão, exaltação e juízo vindouro. Na terceira parte confessa-se a fé no Espírito Santo. Neste artigo foram acrescentadas cláusulas sobre a Igreja, o perdão dos pecados, a ressurreição dos mortos e a vida eterna.

O Credo Apostólico continua tendo hoje uso muito semelhante ao inicial: confissão batismal; esboço para o ensino; guarda e guia contra heresias; resumo da fé e afirmação no culto.

Este credo é, até hoje, o melhor resumo feito da doutrina cristã, em forma tão concisa. Sobre ele disse Lutero: A verdade Cristã não poderia ser colocada de uma maneira mais breve e clara.

Texto

Creio em Deus Pai todo-poderoso, Criador do céu e da terra.

E em Jesus Cristo, seu único Filho, nosso Senhor, o qual foi concebido pelo Espírito Santo,
nasceu da virgem Maria, padeceu sob Pôncio Pilatos, foi crucificado, morto e sepultado,
desceu ao inferno; no terceiro dia ressuscitou dos mortos, subiu ao céu
e está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso, donde há de vir a julgar os vivos e os mortos.

Creio no Espírito Santo, na Santa Igreja Cristã - a comunhão dos santos,
na remissão dos pecados, na ressurreição da carne e na vida eterna.

Voltar

 

Credo Niceno:

Histórico

O Credo Niceno tem, esencialmente, o mesmo conteúdo doutrinário do Credo Apostólico. A diferença é que ele confessa, mais detalheadamente, a doutrina do Deus Triúno e sua graciosa obra salvadora. O Credo Niceno, em sua forma mais primitiva, foi adotado pela igreja cristã no seu Primeiro Concílio Ecumênico ou Geral, que se reuniu no ano de 325, em Nicéia, na Ásia Menor, um lugar não muito distante de Constantinopla, atual Istambul. Este credo tomou seu nome da cidade de Nicéia.

O propósito original foi rejeitar os erros daquels que negavam a Santíssima Trindade, especialmente a divindade de Cristo. Os que ensinavam estes erros eram liderados por Ario, cujos ensinamentos são semelhantes aos unitarianos modernos. Tal como os arianos, os unitarianos negam a Santíssima Trindade, particularmente a divindade de Cristo.

O Credo Niceno foi, anos mais tarde, ampliado para apresentar, com maior clareza, a deidade do Espírito Santo e sua obra santificadora. Isto foi feito porque sentia-se que a doutrina do Espírito Santo não havia sido suficientemente enfatizada.

O terceiro concílio, de Toledo, Espanha, em 589, acrescentou as palavras e do Filho para afirmar a verdade que o Espírito Santo procede de ambos, do Pai e do Filho. As palavras do Credo Apostólico desceu ao inferno não foram incluídas no Credo Niceno porque a descida de Cristo ao inferno não era questionada no tempo da controvérsia a respeito da Santíssima Trindade. O Credo Niceno não foi elaborado com a finalidade de ser um resumo da fé cristã. Entretanto, ele é uma excelente e compreensiva declaração das verdades fundamentais da doutrina cristã a respeito de Deus.

 

Texto

Creio em um só Deus, Pai todo-poderoso, Criador do céu e da terra,
tanto das coisas visíveis como das invisíveis.

E em um só Senhor Jesus Cristo, Filho unigênito de Deus, nascido do Pai antes de todos os mundos,
Deus de Deus, Luz de Luz, verdadeiro Deus do verdadeiro Deus, gerado, não criado,
de uma só substância com o Pai, por quem todas as coisas foram feitas;
o qual por nós homens e pela nossa salvação desceu do céu e se encarno pelo Espírito Santo
na virgem Maria e foi feito homem; foi também crucificado por nós sob Pôncio Pilatos,
padeceu e foi sepultado; e ao terceiro dia ressuscitou segundo as Escrituras,
e subiu aos céus, e está sentado à direita do Pai, e virá novamente em glória
a julgar os vivos e os mortos, cujo Reino não terá fim.

E no Espírito Santo, Senhor e Doador da vida, o qual procede do Pai e do Filho,
que juntamente com o Pai e o Filho é adorado e glorificado; que falou pelos profetas.
E numa única santa Igreja Cristã e Apostólica. Confesso um só Batismo para remissão
dos pecados, e espero a ressurreição da carne e a vida do mundo vindouro.

Voltar

 

Credo Atanasiano:

Histórico

A terceira confissão geral admitida pela Igreja Evangélica Luterana do Brasil é o Credo Atanasiano. Incorretamente é atribuído a Atanásio, um dos pais da Igreja, e um dos maiores defensores da divindade de Cristona igreja cristã primitiva.

Não se sabe ao certo quando e onde este credo foi composto. Alguns historiadores acreditam que tenha surgido na França, por volta do sexto ou sétimo século. Outros sustentam que tenha sido escrito algum tempo antes, no Norte da África.

Em seu conteúdo, o Credo Atanasiano resume, em breves e enfáticas afirmações, a doutrina da Santíssima Trindade e, em particular, da pessoa de Cristo, que é verdadeiro Deus e verdadeiro homem em uma só pessoa. Lutero disse que o Credo Atanasiano é a maior produção da igreja cristã desde os tempos dos apóstolos.

Texto

Aquele que quiser ser salvo, antes de tudo deverá ter a verdadeira fé cristã.
Aquele que não a conservar em sua totalidade e pureza, sem dúvida perecerá eternamente.
E a verdadeira fé cristã é esta, que honremos um único Deus na Trindade e a Trindade na Unidade,
não confundido as pessoas nem dividindo a sustância divina.
Pois uma é a pessoa do pessoa do Pai, outra a do Filho e outra a do Espírito Santo;
mas o Pai, o Filho e o Espírito Santo são um único Deus, iguais em glória e majestade eterna.
Qual o Pai, tal o Filho, tal o Espírito Santo.
O Pai é incriado, o Filho é incriado, o Espírito Santo é incriado.
O Pai é incomensurável, o Filho é incomensurável, o Espírito Santo é incomensurável.
O Pai é eterno, O Filho é é eterno, o Espírito Santo é eterno.
Contudo, não são três Eternos, mas um único Eterno.
Do mesmo modo, não três Incriados, nem três Incomensuráveis,
mas um único Incriado e um único incomensurável.
Da mesma maneira, o Pai é todo-poderoso, o Filho é todo-poderoso, o Espírito Santo é todo-poderoso;
contudo, não são três Todo-poderosos, mas um único Todo-poderoso.
Assim, o Pai é Deus, o Filho é Deus, o Espírito Santo é Deus;
todavia, não são três Deuses, mas um único Deus.
Deste modo, o Pai é Senhor, o Filho é Senhor, o Espírito Santo é Senhor;
entretanto, não são três Senhores, mas um único Senhor.
Visto que, segundo a verdade cristã, nos importa confessar cada pessoa por sua vez
como sendo Deus e Senhor, é-nos proibido pela fé cristã dizer que há três Deus e três Senhores.
O Pai por ninguém foi feito, nem criado, nem gerado.
O Filho provém apens do Pai, não foi feito, nem criado, mas gerado.
O Espírito Santo não foi feito,nem criado, nem gerado pelo Pai pelo Filho, mas deles procede.
Logo, é um único Pai, não são três Pais;
um único Filho, não três Filhos;
um único Espírito Santo, não três Espíritos Santos.
E nesta Trindade nenhuma pessoa é anterior ou posterior, nenhuma maior ou menor.
mas todas as três pessoas são coeterna e iguais entre si;
de modo que, como foi dito, em tudo seja honrada a Trindade na Unidade e a Unidade na Trindade.
Portanto, quem quiser ser salvo, deverá pensar assim da Trindade.
Entretanto, é necessário para a salvação eterna crer também fielmente
na humanação de nosso Senhor Jesus Cristo.
Esta é, portanto, a fé verdadeira:
crermos e confessarmos que nosso Senhor Jesus Cristo, o Filho de Deus, é Deus e Homem.
É Deus da substância do Pai, gerado antes dos tempos,
e Homem da substância de sua mãe, nascido no tempo;
Deus perfeito e Homem perfeito, subsistindo em alma racional e carne humana.
Igual ao Pai segundo a divindade e menor do que o Pai segundo a sua humanidade.
Ainda que é Deus e Homem, nem po risso são dois, mas um único Cristo.
Um só, não pela transformação da divindade em humanidade,
mas mediante a recepção da humanidade na divindade.
É, de fato, um só, não pela fusão das duas substâncias, mas por unidade de pessoa.
Pois, assim como corpo e alma racional constituem um único homem, Deus e homem é um único Cristo,
o qual padeceu pela nossa slavação, desceu ao inferno, no terceiro dia ressuscitou dos mortos.
Subiu ao céu, está sentado à direita de Deus Pai todo-poderoso,
donde há de vir a julgar os vivos e os mortos.
E quando vier, todos os homens hão de ressuscitar com os seus corpos e dar contas de seus próprios atos,
e aquele sque fizeram o bem irão para a vida eterna, mas aqueles que fizeram o mal, para o fogo eterno.
Esta é a verdadeira fé cristã. Aquele que não crer com firmeza e fidelidade, não poderá ser salvo.

Voltar

 

Inicial | O que crêmos | Catecismo Menor | Confissão de Augsburgo | Martinho Lutero
edercw@ig.com.br